Idealização da revolução russa atrasa o avanço do comunismo

Francisco Martins Rodrigues

No seu artigo (P.0.76 e 78), Manuel Raposo procura demonstrar que a Revolução Russa poderia ter chegado ao socialismo e marcou com fortes traços de socialismo a URSS enquanto esta existiu.

Continuar a ler

A revolução que não pôde ser socialista

Francisco Martins Rodrigues

 Há os que amaldiçoam a revolução russa como “totalitária”, há os que a ideaíizam como a aurora do socialismo é mais que tempo de uma visão realista da sua grandeza e dos seus limites históricos.

Continuar a ler

“O comunismo ainda vai dar que falar

Entrevista com Francisco Martins Rodrigues

Para assinalar dez anos de publicação, o director de P.O. respondeu a um conjunto de perguntas colocadas por colaboradores e amigos da revista, em torno das questões actuais do comunismo. Esperamos que esta entrevista possa suscitar novos debates com os nossos leitores. Continuar a ler

Afinal Kautsky tinha razão?

Francisco Martins Rodrigues

Concluir, como temos feito nesta série de artigos, que a revolução russa estava perdida desde que ficou isolada e que a passagem ao socialismo era materialmente impossível, fosse qual fosse a política adoptada, não é afinal dar a mão à palmatória a Kautsky e romper com Lenine? A interrogação tem-nos sido colocada por alguns leitores, que ainda não esqueceram como as pesquisas do “falecido” J. C. Espada acabaram na rendição à lógica de Kautsky.

Continuar a ler

Cambalhota à retaguarda

Francisco Martins Rodrigues

Do leitor Helder Lima Santos, de Espinho, recebi uma “Carta aberta”. Transcrevo-a quase na íntegra. Descontente com o balanço da revolução russa feito há um ano nesta revista (no artigo “Resposta aos comunistas americanos”), H.L.S. aponta como “uma das maiores limitações dessa análise o ter passado como gato sobre brasas pela questão essencial que é a Democracia… durante a construção da sociedade socialista”. O artigo foi apenas, em sua opinião, uma “tentativa desatempada” para revigorar ideias que já fizeram a sua época, uma “variação do canto do cisne do marxismo-leninismo”.

Continuar a ler