A esquerda em campanha

Política Operária nº 95, Maio-Junho 2004

Anúncios

Correntes marxistas no século XX

Francisco Martins Rodrigues[1]

Neste breve panorama das correntes marxistas no século XX distjngo cjnco grandes correntes: social-democracia, bolchevismo, stalinismo, revisionismo e maoísmo. De passagem, farei referência a duas outras correntes que considero derivadas: o conselhismo e o trotskismo.

Continuar a ler

O terror na URSS: um caso de puritanismo antiburocrático?

 

Francisco Martins Rodrigues

Origins of the Great Pur­ges. The Soviet Commu­nist Party Reconsidered, 1933-1938, J. Arch Getty. Cambridge University Press, Cambridge, 1985. Atendo-se aos documen­tos e rejeitando a prática mui­to difundida dos testemu­nhos em segunda e terceira mão, quando não de boatos e histórias inverificáveis, o autor tenta desvendar a vida interna do partido soviético no período que conduziu à onda de julgamentos e execu­ções sumárias de 1936-39. A sua conclusão é que carece de base a versão corrente de que o terror seria o culminar de um plano maquiavélico traçado por Staline para liquidar os velhos bolcheviques e pôr termo à revolução, usando como pretexto a morte de Kirov (ela mesma atribuída a Staline).

Continuar a ler

Cuba, Fórum de Porto Alegre, sionismo

Francisco Martins Rodrigues

Três temas em destaque neste número da revista do PSTU brasi­leiro (Marxismo Vivo, n° 3, Maio. Rua Loefgreen 909, Vila Clementino, São Paulo, SP, Brasil, marxismovivo @osite.com.br): Cuba, Fórum de Porto Alegre, sionismo. Apesar da referência obri­gatória às fórmulas dogmáticas do trotskismo (os “estados operários deformados”, etc.), o radicalismo das posições e a seriedade da argu­mentação dão à revista um cunho marxista que hoje é difícil encon­trar. Continuar a ler

“Bloco de esquerda”. Renascimento ou nova etapa na crise da esquerda?

Francisco Martins Rodrigues

Em ano de eleições é já tradicional que os peque­nos partidos da esquerda procurem coligar-se, na esperança de virem a eleger um deputado, já que essa seria, no seu entender, a forma de “sair do gueto” e ganhar projecção. Desta vez, porém, o pro­cesso vai mais longe e reveste as formas nobres de uma anunciada “renovação da esquerda” pela cria­ção de um novo partido, movimento ou bloco, desti­nado a aglutinar o PSR, a UDP e a Política XXI, assim como um certo número de personalidades e activis­tas independentes.

Continuar a ler