O terror na URSS: um caso de puritanismo antiburocrático?

 

Francisco Martins Rodrigues

Origins of the Great Pur­ges. The Soviet Commu­nist Party Reconsidered, 1933-1938, J. Arch Getty. Cambridge University Press, Cambridge, 1985. Atendo-se aos documen­tos e rejeitando a prática mui­to difundida dos testemu­nhos em segunda e terceira mão, quando não de boatos e histórias inverificáveis, o autor tenta desvendar a vida interna do partido soviético no período que conduziu à onda de julgamentos e execu­ções sumárias de 1936-39. A sua conclusão é que carece de base a versão corrente de que o terror seria o culminar de um plano maquiavélico traçado por Staline para liquidar os velhos bolcheviques e pôr termo à revolução, usando como pretexto a morte de Kirov (ela mesma atribuída a Staline).

Continuar a ler

Anúncios

Cuba, Fórum de Porto Alegre, sionismo

Francisco Martins Rodrigues

Três temas em destaque neste número da revista do PSTU brasi­leiro (Marxismo Vivo, n° 3, Maio. Rua Loefgreen 909, Vila Clementino, São Paulo, SP, Brasil, marxismovivo @osite.com.br): Cuba, Fórum de Porto Alegre, sionismo. Apesar da referência obri­gatória às fórmulas dogmáticas do trotskismo (os “estados operários deformados”, etc.), o radicalismo das posições e a seriedade da argu­mentação dão à revista um cunho marxista que hoje é difícil encon­trar. Continuar a ler

“Bloco de esquerda”. Renascimento ou nova etapa na crise da esquerda?

Francisco Martins Rodrigues

Em ano de eleições é já tradicional que os peque­nos partidos da esquerda procurem coligar-se, na esperança de virem a eleger um deputado, já que essa seria, no seu entender, a forma de “sair do gueto” e ganhar projecção. Desta vez, porém, o pro­cesso vai mais longe e reveste as formas nobres de uma anunciada “renovação da esquerda” pela cria­ção de um novo partido, movimento ou bloco, desti­nado a aglutinar o PSR, a UDP e a Política XXI, assim como um certo número de personalidades e activis­tas independentes.

Continuar a ler

Trotskismo fez a sua época

Meio século esperaram os trotskistas para ver reabil­itada na URSS a memória de Trotsky. Agora, porém, que esse dia chegou e os dirigentes soviéticos reconhecem o papel por ele desempenhado na revolução e admitem a autoria do seu assassinato, dá-se um fenómeno insólito: a reabilitação de Trotsky mistura-se com a reabilitação da democracia burguesa e do lucro privado. A longamente esperada «revolução política antiburocrática» é afinal burguesa a cem por cento – um desenlace que nunca julgaram possível nem Trotsky nem os seus seguidores.

Continuar a ler

On Soviet Union and Stalin

Francisco Martins Rodrigues

Notes about Stalin

1. “Proletarian Justice”

In 1936-38, in three big successive trials, ninety leaders and outstanding members of the Bolshevik Party (Zinoviev, Kamenev, Bukharin, Rykov, Radek, Smirnov, Piatakov, etc.) confessed publicly to having organized two parallel centers of espionage and terrorism, in connection with Trotsky and the Gestapo. They were almost all executed. In the same period, in another closed door trial, some of the chief commandants of the Red Arms’ were condemned and executed. They were accused of treason in the service of nazism.

Continuar a ler