Mensagens

Mensagem Brasil

A página com os artigos do FMR é excelente. Em mim só reforça a compreensão do enorme papel que o Francisco teve e tem como dirigente e teórico marxista, não só para Portugal, como para todos nós, também aqui no Brasil.

Seus artigos, seja no combate ao revisionismo, seja na afirmação dos princípios do marxismo, são luminosos.

Identifico-me muito com a história de vocês, principalmente no combate para manter desfraldada nossa bandeira.

Enviamos também para toda nossa lista de contatos. Consideramos fundamental divulgar as posições que vocês assumiram aí, expressas nos textos do FMR. Publicaremos daqui uns dias mais um artigo do Francisco.

Temos certeza que, nestes tempos de profunda penumbra, o brilho dos textos de vocês ajudará a iluminar nosso caminho.

Um grande abraço,

F.

 

Mensagem Galiza

Obrigado pelo envio, Ana! E parabéns pola iniciativa. Suponho que tu já a conhecerás, mas eu encontrei não há muito tempo umha entrevista com o Chico na RTP.

http://media.rtp.pt/extremaesquerda/foi-assim/o-sobrevivente-2/

Eu não a tinha visto, mas creio lembrar que tu me tinhas falado dela. Adorei poder vê-la, com saudades.

Não é preciso dizer que as nossas páginas estão como sempre abertas para os teus textos sempre que queiras enviar.

Espero que tudo esteja a correr bem para ti. Um grande abraço,

M.

 

Mensagem Cabo Verde

Em primeiro quero agradecer por ter enviado este link, que tanto me recordou hoje o Sr. Francisco Martins Rodrigues, este Grande Senhor de Esquerda, que desde cedo sabia muito bem o queria, e por isso lutou… apenas queria por poucas palavras, igualdade e justiça social num mundo livre de exploração.

Depois de ler a sua biografia, que de nada sabia, só sabia pelo pouco tempo que convivi que era um homem muito gentil e humano, tratou-me como se fosse uma flôr… fiquei triste quando soube do seu desaparecimento físico, apanhou-me de surpresa, pois não sabia que o último dia que nos encontramos por acaso no percurso de um comboio, e que ele me reconheceu… que seria a última nas nossas vidas.

Se não fosse por ele ter abraçado prontamente o projeto de publicar a minha tese de Mestrado sobre o Campo de Concentração do Tarrafal , perderia com certeza a oportunidade de conhecer e conviver com este ilustre “camarada” de tantas lutas.
A si Ana, também devo… pois foi pelas suas mãos que cheguei a ele.

Quero informá-la que estou em Portugal, na Universidade do Porto a fazer o doutoramento e o meu projeto digo-lhe des- de já, é sobre a 2ª fase do Campo de Trabalho do Tarrafal (1961-1974).
Tenho a certeza que o Francisco ficaria feliz por saber desta minha decisão.

 

Anúncios