Tribuna Comunista nº 17

 Francisco Martins Rodrigues

 (FALTA a primeira página)

 que recebiam uma propaganda marxista e anti-imperialista sistemática (mesmo que deturpada), aplaudam ou aceitem hoje a restauração dos parti­dos burgueses, a “ajuda” imperialista, a retorno à economia de mercado? Como se explicam as multidões a aplaudir Bush em Varsóvia? Não aprenderam nada?

Continuar a ler

Anúncios

Novas lições da Revolução Russa (3)

Francisco Martins Rodrigues

(Elementos para uma plataforma comunista)

Terceira  parte

Staline

38. Andámos a defender Staline como o líder do proletariado mundial, não pode­mos agora escondê-lo debaixo do tapete. A desculpa de que Staline se limitou a ser o intérprete de determinadas condicões históricas é uma escapatória tão anti-marxista como a dos que atribuem o sentido da história ao livre arbítrio de indivíduos. É uma espécie de ‘culto da antipersonalidade’.

Continuar a ler

Novas lições da Revolução Russa (1)

Francisco Martins Rodrigues

Novas lições da Revolução Russa

(Elementos para uma plataforma comunista)

Primeira parte

 

Sair da corrente ML

1. O que nos falta para constituirmos uma corrente comunista internacional? Falta-nos fazer o enterro teórico do chamado “movimento ML”. Evidentemente. não temos que renegar a deslocação à esquerda que representou a luta anti- revisionista dos anos 60. Mas temos que pôr em causa o espírito de compromisso que presidiu a essa luta e a impediu de dar frutos. Continuar a ler

Algumas questões em suspenso

Francisco Martins Rodrigues

  • Qual deve ser o alvo central da nossa crítica? O revisio­nismo? a social-democracia? ou o sistema capitalista, origem de tudo? É justo o critério de centrar o fogo na corrente de ideias que forma o travão principal para o avanço da classe operária? Ou, dada a desmoralização a que chegou a classe operaria, é preciso voltar a dar-lhe perspectivas de socialismo por um ataque central à burguesia?
  • Teremos que concluir que o alvo do ataque da corrente ML nestes 30 anos estava errado? Mas se não tivéssemos feito tanto fogo contra os revisas, não seríamos hoje revisas?
  • A nossa dificuldade em formar corrente não será resultante de não termos respostas positivas e apenas denúncias? Poderia dar-se à O. uma orientação mais programática, indicando o sistema social que queremos, o caminho para lá chegar, posições tácticas que apoiamos no terreno da luta política e da luta reivindicativa?
  • É verdade que se esgotou a nossa argumentação em torno de “desenganchar” o proletariado da pequena burguesia? Não há coisas novas a dizer para a demarcação de campos entre as duas classes? Deveria dar-se um cunho mais “obreirista” à O.?
  • A crise política da OCPO não poderá vencer-se se centrar­mos os nossos esforços na ligação com a classe operária e os seus problemas? Porque não lançarmos uma campanha em defesa da democracia operária para mostrar aos operários que é possível impor a sua vontade se a maioria exigir a obediência da minoria?
  • URSS: a perestroika é a política duma classe que atravessa uma crise mas que está a fazer a sua reconversão para dar a volta por cima, ou é a agonia da camada burocrática que administrava o capitalismo de Estado? Se a convulsão social na URSS fosse tão profunda como se crê, poderia ela ter partido da própria cúpula do PCUS? Não teria já dado origem a choques violentos entre forças antagónicas?
  • Onde estão os capitalistas russos capazes de comprar as empresas estatais? Não irá a URSS evoluir para uma forma nova do mesmo capitalismo de Estado, modernizado através de joint-ventures com o imperialismo? Não será cedo para can­tarmos a derrota do social-imperialismo?
  • Se a revolução russa de 1917 se fez a pensar numa revolu­ção socialista europeia que não surgiu, põe-se a questão: Lenine e os bolcheviques estavam enganados? A Europa estava madura para a revolução, mas esta não se deu devido à traição da social-democracia? Quando haverá condições maduras para uma nova revolução proletária em qualquer ponto do mundo?
  • O nome de “corrente ML” surgiu há 30 anos lançado pelo PC China e o PTA, na base da fidelidade a Staline, etc. U ma vez que rompemos com essa linha considerando-a centrista, ainda devemos manter a denominação de “ML”? Se não formos ML, o que seremos? só comunistas? comunistas revolucionários? marxistas?

sem data (possivelmente 1987)

Política Operária – que futuro?

Francisco Martins Rodrigues

Recentemente, em reuniões da Direcção e da Redacção, retomou-se a discussão sobre o trabalho que temos vindo a realizar através da P. O. Chegou-se a algumas conclusões, havendo assim o interesse de alargar este debate a todos. Não se trata de fazermos hoje um balanço exaustivo às posições contidas em cada artigo saído na P. O. — trata-se sim de saber se temos evoluído como corrente de pensamento marxista, se existe hoje o perigo de ausência de perspectivas para o trabalho futuro.

Continuar a ler

Intervenção a 8 de Dezembro de 1984

Francisco Martins Rodrigues

O nosso encontro não é um jantar de despedida de arrependidos da esquerda. Não viemos aqui fazer um saldo das nossas convicções revolucionarias. Não temos nada a ver com os grupos que anterior­mente abandonaram o PC(R) e que hoje se pavoneiam no Expresso e no Clube da Esquerda Liberal, â procura de tachos. Estamos no cam­po oposto a essa gente. Por isso mesmo, não estamos interessados em ir lavar roupa suja para a imprensa burguesa. Encaramos a nossa saída do PC(R) como um passo em frente na nossa vida de militantes comunistas, para responder melhor às exigências que coloca a revo­lução em Portugal.

Continuar a ler

Restauração capitalista na China [i]

Não foi possível encontrar publicado este texto nem conseguimos datá-lo, e por isso pensamos ser inédito. Muito provavelmente, terá sido retido por FMR para posteriores melhoramentos. Parece ser aliás uma versão primitiva depois desdobrada em dois artigos publicados na Política Operária nº 103 de Jan-Fev de 2006: “A revolução chinesa nunca existou?”, assinado por FMR, e “A ‘restauração capitalista’ na China’, condensação por FMR do artigo de Yiching Wu na Montly Review.

Francisco Martins Rodrigues

Um novo volume sobre Mao, cheio de “revelações” apimentadas, está a vender-se como pãezinhos quentes (1). Para se fazer passar por obra séria, promete a “resposta definitiva para os enigmas da revolução chinesa”, desde as tragédias da Revolução Cultural aos mistérios do ódio de Mao a Liu Shao-chi. A mensagem final não corre o risco de surpreender ninguém: Mao não era bem igual a Hitler mas não lhe ficava longe; a revolução, eis a verdadeira origem de todas as desgraças e todos os crimes; “o comunismo nunca deu nem nunca dará certo em lado algum”.

Continuar a ler