Não se aprende nada

Francisco Martins Rodrigues

Os noticiários são invadidos por mais unia “crise decisiva” do PCP mas o público passa adiante. Não que a luta não seja real. Só que estes debates internos do PCP já cansam. A transcendente questão “de prin­cípios” que separa as duas alas rivais é: deve o PCP avançar já para o poder como parceiro menor do PS ou continuar a apostar na oposição até o PS se resol­ver a inflectir à esquerda? Não valia a pena fazer tantos discursos por uma questão tão simples.

Causa-me vertigens ouvir hoje acusar-se o PCP de “dogmático” e “esquerdista” quando há perto de 40 anos o tive de abandonar, por o achar insuporta­velmente reformista e revisionista. Foi o partido que mudou entretanto ou fui eu que me equivoquei em 1963 e vi tudo ao contrário? Nem uma coisa nem a outra. Nestes 40 anos o PCP prosseguiu a sua vocação de aperfeiçoador e moralizador do sistema. O proble­ma é que Cunhal pôs em marcha um movimento que o ultrapassa e vê-se agora atacado pelos seus discípu­los mais dilectos.

Sintomático que os cavalos de batalha, de uma parte e de outra, sejam distinções bizan­tinas em torno da interpretação das normas estatutárias e do marxismo-leninismo e não saltem para cima da mesa temas como o com­portamento do partido face ao movimento gre­vista no PREC, as negociações com os golpistas do 25 de Novembro, a defesa que não foi feita da Reforma Agrária, o seguidismo face à ex-URSS, a luta contra o “esquerdismo”… Por uma razão simples: nisso todos eles estão de acordo.

O abandono da Comissão Política por José Soeiro, controleiro-geral do Alentejo, faz pen­sar irresistivelmente no caso de Zita Seabra. Nos anos 70 Soeiro celebrizou-se como perseguidor assanhado de “esquerdistas” no Alentejo, em nome da “defesa intransigente do Partido”. Tanta “ortodoxia” acabou por cansá-lo e agora queixa-se que já não consegue aguentar o ambiente na direcção. Se levar o mesmo balanço que a Zita, vai parar longe…

O motor da dissidência interna do PCP está no PS, e não é por os cunhalistas o dizerem que isso se torna menos verdade. Para os socialistas, a longevida­de do “stalinismo” do PCP, quando em todo o mundo praticamente desapareceu, é um atestado de incom­petência que os torna alvo de troça na Internacional Socialista. O PCP “rouba-lhe” toda uma área a que o PS se sente com direito desde os anos 80, e com autoridade redobrada depois da implosão do Leste. Daí as directivas categóricas de Soares: aposte-se tudo nos “rapazes desempoeirados”.

No Bloco, também, segue-se com ansiosa esperan­ça os sinais de “fractura no sectarismo aparelhístico” e verbera-se o “anátema lançado sob a batuta de Cu­nhal” ao acusar os adversários de “quererem a social-democratização do PCP” (Combate, Setembro). Como se fosse alguma invenção de Cunhal! É indiscutível que todos os actuais dissidentes, como os de há dez anos, como os de há 15 ou 20 anos, querem a social-democratização plena do PCP. Não há membro do partido que não o saiba; podem ser reformistas mas não são imbecis. Basta ver o percurso dos Magalhães, Judas, Zita, Barros Moura, Cândida, Pina Moura, Veiga de Oliveira e tantos outros intrépidos lutadores pelo “rejuvenescimento e democratização do Partido”.

Se o PCP mudar finalmente o nome para Partido Democrático e Socialista ou coisa semelhante e abdi­car da negregada foice e martelo, é de toda a justiça que o Público ocupe um lugar de convidado de honra no congresso de refundação. A paixão e o alvoroço com que a equipa deste jornal acompanha todos c enfadonhos episódios da luta interna do PCP n engana: há ali uma aposta sentida numa “nova al nativa de esquerda” que pudesse vir a aglutinar o ex-PC, o Bloco, uma parte do PS, quem sabe…

Brito, Amaral, Edgar batem-se pela “urgência do diálogo na área da esquerda” como se se tratasse de uma palestra entre cavalheiros. Ora, o PS está dis­posto a colaborar com um PCP satelizado: que, para começar, já não se chame “comunista”, expressão obscena, mas que sobretudo, para além da reforma dos símbolos, se conforme por inteiro às regras do jogo institucional. Porém, nessa reconversão, o que sobraria da base do PCP? Este enigma é o grande trunfo de Cunhal.

Pelo mesmo motivo que o PS apoia os “renova­dores”, o PSD combate-os. Neste aspecto, o artigo de Pacheco Pereira fez uma excelente exposição dos interesses da direita nesta questão: quanto mais tem­po durar o cunhalismo, mais afastada a ameaça de uma cooperação PS-PC que viria alargar o campo do “socialismo moderno” e tornar mais difícil o regresso do PSD ao poder.

Os cunhalistas acabam por ser beneficiados junto de certos sectores populares com a imagem de “orto­doxia” que lhes é atribuída. Ora, na realidade, o social-democratismo está solidamente implantado no interior do PCP. Sé) o ignoram aqueles que tomam à letra o discurso de tons radicais debitado junto de sectores operários ou da juventu­de. Na sua actividade parlamentar, sindical, autárquica, o PCP diferencia-se cada vez me­nos dos “partidos irmãos” europeus que fizeram agulha para o “socialismo demo­crático”: jogo institucional, carreirismo, cor­rupção…

O PCP não pode fugir à lenta mudança do clima social produzida pela entrada do país na “maioridade democrática” e pela integração europeia – desindustrialização, crescimento de uma classe média abastada, fragmentação e derrota do proletariado, suborno dos fundos estruturais.

Por uma má ironia da história, Cunhal, que tanto lutou contra Salazar, está numa situação comparável à do velho ditador, quando já só podia clamar aos seus fiéis: “Aguentar! Aguentar!” Mas o hipócrita “pu­rismo” dos cunhalistas, cada vez mais distante do partido real, acabará por ser submergido pela lógica que ele próprio instaurou: se a política possível é de reformas, e se para as aplicar é preciso estar no governo, porquê sujeitar-se a ser escorraçado, só para satisfazer a teimosia saudosista da “fidelidade ao marxismo-leninismo”, do emblema da foice e do martelo e do nome de “comunista”

Há quem veja na nossa recusa a tomarmos partido pela “renovação” contra o “conservadorismo” um res­to de nostalgia “stalinista”. Dizem-nos que, do ponto de vista da esquerda, uma vitória dos renovadores poderia pôr em movimento as forças sãs do PCP, impulsionar uma nova unidade da esquerda…

Só não nos explicam que forças sãs poderiam emergir de uma luta entre reformistas modernos e reformistas caducos. A luta interna no PCP só teria ecos positivos para o proletariado se nela se destacas­se uma corrente comunista autêntica, capaz de criticar pela esquerda “renovadores” e “ortodoxos”. Mas essa corrente não existe. Há longuíssimos anos que o PCP se purgou de comunistas ou os lobotomizou.

Política Operária nº 75, Set-Out 2000

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s