Democracia filofascista

Francisco Martins Rodrigues

Conotado habitualmente na área do “comunismo”, Varela Go­mes distingue-se radicalmente do PCP pelo radicalismo das suas apreciações sobre o período re­volucionário e a restauração bur­guesa. Neste seu livro (Esta democracia filofascista, João Varela Gomes. Ed. do au­tor. Distr. Terramar, Lisboa, 1999), ele diz, sem circunlóquios diplo­máticos, que o 25 de Novembro pôs fim à “Gloriosa Revolução” do 25 de Abril e deu início a uma democracia “filofascista”, ou seja, “tendencialmente fascista”, o que, aliás, considera apanágio de toda a democracia burguesa.

E, ao contrário de Cunhal, não per­de tempo a queixar-se de Spínola ou dos bombistas; ao inimigo há que combatê-lo, não que censurá-lo. Varela Gomes procura responsabilidades pelo desastre no próprio campo “abrilista”. De­monstra que o 25 de Novembro estava antecipadamente ga­nho porque vinha sendo prepa­rado, pelo menos desde Julho, com a complacência do próprio Conselho da Revolução e dos principais chefes militares; desde o resultado das eleições para a Constituinte, tinha-se instalado no campo revolucionário “o espí­rito de negociação, isto é, da ce­dência, isto é, da derrota”, tudo porque não houve a ousadia de adiar as eleições, “apesar de o golpe spinolista de 11 de Março ser razão suficiente para as adi­ar”; devido às manobras de Costa Gomes, “com a ajuda de Otelo e Fabiâo”, “ao entrar Outubro, a chamada esquerda militar estava arredada dos centros de decisão e dos postos de comando” (p. 38); condena Otelo (a reintegração de Jaime Neves no comando do Re­gimento da Amadora, “desastra­da, louca ou de pura traição à Revolução”); e não hesita em cri­ticar também o PCP, apesar da simpatia que lhe dedica: “Com o seu prudente seguidismo em re­lação ao MFA, com a falta de au­dácia revolucionária de que deu provas”, o PCP ficou à espera de que o oficialato dirigisse a revo­lução (p. 44).

O livro desfia um libelo es­magador contra Costa Gomes. Esse pseudo-“pacificador”, tão preocupado em “evitar a guerra civil”, surge como um jogador maquiavélico, mestre na intriga palaciana, marcado pela sua car­reira de chefe militar do fascis­mo, ocultando o conluio com a direita sob a capa da isenção. Mas não só ele. A Comissão Coor­denadora do MFA e o Conselho da Revolução também saem de rastos do exame: “O MFA não era simplesmente composto por jo­vens capitães inexperientes”, lembra o autor; “tinha muita gen­te já de rabo pelado” em que se apoiou Costa Gomes e são pas­sados em revista Fabião, Vítor Alves, Charais, Costa Brás, Ro­cha Vieira…

A odiosa perseguição aos mi­litares de esquerda e o festival de reabilitações de fascistas a que se entregou o Conselho da Revolução após o 25 de Novem­bro preenche um dos capítulos mais impressionantes do livro, onde é recordado o inquérito à “conspiração anti democrática”, falso de uma ponta à outra, os conselhos disciplinares, cuja mis­são foi depurar as fileiras das Forças Armadas dos elementos antifascistas, e o “relatório das sevícias” (que V. G. justificadamente classifica como “abjecto”), em que se registaram, contra os militares de Abril as queixas dos pides por terem sido… insultados e interrogados de noite! Biogra­fias como a de Canto e Castro, figura tenebrosa, de Garcia dos Santos ou do próprio Eanes (pp. 79-86) dão a imagem verídica do que foi esse órgão de tutela… da Revolução.

O livro é completado pela re­produção de duas dezenas de ar­tigos que V. G. tem feito sair na imprensa (muitas vezes mutila­dos) e que voltam exaustivamente ao tema: o que vale afinal esta Democracia construída sobre a derrota da Revolução?

Naturalmente, não acompa­nhamos V. G. nas acusações siste­máticas que formula, neste como noutros trabalhos, contra o “esquerdismo”; é fácil denegrir o “esquerdismo” como instrumen­to da direita em 74-75 reduzindo-o ao MRPP e à AOC, como ele faz. Mas não se pode ignorar que, para além destes grupos, efectivamente de direita, outros, nomeadamente a UDP, tiveram uma actuação importante no crescimento do movimento popular e na luta contra o espírito de capi­tulação. As críticas que a UDP en­tão fez ao PCP revelaram-se no essencial clarividentes. Com a sua aversão indiscriminada a tu­do o que tenha o rótulo do “es­querdismo”, Varela Gomes assu­me aqui uma atitude semelhante à de Cunhal: a recusa a reconhe­cer que existe uma crítica à es­querda do PCP, a qual anuncia o surgimento, talvez ainda demo­rado mas inevitável, de uma nova corrente comunista.

Empenhado há 25 anos no combate à hipocrisia “filofascis­ta”, autor de denúncias frontais da maquinação de direita, como A Contra-Revolução de Facha­da Socialista, Varela Gomes está condenado a bradar no deserto, porque a sua voz se situa fora dos grandes alinhamentos parti­dários. Abominado pelos meios do poder estabelecido, e especi­almente pelo PS, ele é também ignorado pelos responsáveis do PCP, que o olham com algum temor como um radical imprevi­sível, sempre disposto a pôr em risco as laboriosas combinações “unitárias”. A conspiração do si­lêncio não pode todavia retirar um átomo ao peso real das suas acusações, porque elas contêm a verdade.

Política Operária nº 72, Nov-Dez 1999

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s