No interesse da nação

Francisco Martins Rodrigues

TRATA-SE da intervenção de Cunhal no colóquio realizado em Janeiro na Faculdade de Direito de Lisboa que foi publicada sob o título “Desenvolver Portu­gal Ano 2000″, Edição JCP, 1987. Falando para futuros gestores e advo­gados, Cunhal procurou demonstrar que a política do PCP não se cinge às reivindi­cações dos trabalhadores, como crêem certos espíritos mal informados, mas serve os interesses nacionais gerais, ou seja, que também interessa a uma boa parte da burguesia.

A avaliar pela quebra da votação sofrida pelo partido nas últimas eleições, o apelo não encontrou grande eco nas camadas pequeno-burguesas. De qualquer forma, é para o movimento operário sobretudo que os argumentos de Cunhal revestem unir enorme interesse — porque explicam a política real do PCP muito melhor do que os artigos do “Avante” é e os discursos nos comícios.

Cunhal defende o aumento da produção e o aproveitamento dos recursos nacionais lembrando aos seus auditores burgueses “essa outra energia em que muita gente não repara — a mão-de-obra dis­ponível”. Reclama que se eleve a produtividade com “gestores competentes que saibam defender os interesses das próprias empresas”. Condena a política dos despedi­mentos, dos salários em atraso e das leis anti-operárias porque… “desmotivam os tra­balhadores e são um factor prejudicial ao desenvolvi­mento económico”. Quer a melhoria das condições de vida do povo “não apenas pela necessidade de defender os interesses dos próprios tra­balhadores mas também por razões económicas”: alguém duvida que a dinamização do consumo traria maior prospe­ridade às empresas? Propõe que se estimule a participação dos trabalhadores, mas aten­ção, “quem diz os trabalhado­res diz os quadros técnicos, diz os intelectuais”. Apela para o patriotismo dos jovens burgueses ao fazer-lhes notar que o capital estrangeiro ocupa posições “em sectores importantes em que deviam ser os portugueses a determi­nar qual a política a seguir”. Tanto lucro que podia ser nosso e que vai para as mãos dos outros… Alerta que, devido à integração na CEE, já não podemos decidir da nossa produção de cereais e sacrificamos a “nossa” siderurgia. Reclama por fim esta medida tão imparcial — “que se dinamizem todas as forma­ções económicas indistintamente, ou seja, que o Estado dê apoio às empresas naciona­lizadas, às empresas privadas, às cooperativas e UCPs sem discriminações”.

A mensagem não podia ser mais clara: não temam o PCP porque o PCP insere os inte­resses dos trabalhadores nos interesses da nação e está dis­posto a lutar por um espaço nacional independente, onde burgueses não-monopolistas e operários patriotas cons­truam harmoniosamente uma vida próspera para uns e outros.

O que é trágico para Cunhal é que ninguém de bom senso na burguesia dá ouvidos a este programa. O regime actual pode ter muitos moti­vos de descontentamento para os pequenos e médios patrões mas assegura-lhes pelo menos o essencial — a dominação segura da sua classe sobre os operários e as massas trabalhadoras em geral. Todo o burguês, mesmo o menos experiente na luta classes, sabe por instinto q esse é o abc da sua sobrevivência. Só loucos apostariam na desestabilização da ordem existente, a troco de garantias sobre a moderação do movi mento operário numa “demo­cracia nacional” gerida pelo PCP. E se, no decurso dessas transformações, os operários tomassem o freio nos dentes e se lançassem a exigir o socia­lismo a sério?

Nesse aspecto, a experiência de 74/75, mesmo tímida, ingénua e moderada como foi (para nossa desgraça), serviu de lição definitiva ao “progressismo” burguês. Ninguém tem vontade de repetir a aven­tura. Bem pode Cunhal pintar cenários cor-de-rosa:  a “democracia nacional”, ou melhor, o capitalismo de Estado de fachada socialista, é para a burguesia uma mano­bra de último recurso, quando falharem todos os meios para manter a ordem; não é uma opção que se escolha voluntariamente.

O programa do PCP não encontra eco porque não é um programa para aplicar: nem pelos operários, que quando forem capazes de lutar exigi­rão muito mais; nem pelos burgueses, que não vão trocar â segurança actual por aven­turas. Está condenado a ficar de reserva para a eventuali­dade de uma crise de poder. Para já, retrata as aspirações utópicas duma franja pequeno-burguesa visionária, que sonha com uma via inter­média entre a barbárie do capital monopolista e a bar­bárie simétrica da ditadura do proletariado.

De qualquer modo, que estas propostas amarelas de harmonização entre o capital e o trabalho possam ser for­muladas assim tão cruamente pelo secretário-geral do par­tido que se denomina de comunista e que mais influen­cia o movimento operário — dá bem a medida do nível atrasado em que se encontra a luta de classes no nosso país. Só reconhecendo este tre­mendo atraso pode a corrente comunista revolucionária começar a abrir o seu espaço próprio.

Política Operária nº 11, Set-Out 1987

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s