Europa — o eclipse da revolução

Francisco Martins Rodrigues

 Na passagem do 80.º aniversário da revolução russa, e quando se desenham esperanças de reanimação do movi­mento operário europeu, é oportuno perguntar: o que fez o movimento comunista no continente para seguir o exemplo dos bolcheviques? E porque se saiu tão mal?

A revolução europeia, que os comunistas russos chegaram a julgar iminente, e da qual esperavam a salvação do seu cambaleante poder soviético, nunca compareceu à chamada. Por culpa dos social-democratas e dos Togliatti, Thorez & Cia., como viemos acusando durante décadas? Claro que o contributo desses eméritos defensores da ordem reinante aju­dou muito. Contudo, eu hoje diria que o problema foi bem mais profundo, foi de raiz; os reformistas levaram a melhor porque o solo lhes era propício. E o mal dos comunistas foi nunca terem ousado reconhecê-lo.

DUPLO EQUÍVOCO

A nova Internacional Comunista pareceu anunci­ar um salto prodigioso em relação à sua anteces­sora. De chofre, com o terramoto russo, a questão do socialismo descia das nuvens da propaganda e das reformas nos países “civilizados” para o terreno das batalhas decisivas: partido de combate do prole­tariado, insurreições camponesas, derrube armado da burguesia, poder dos sovietes, entrada em cena dos povos colonizados. Com estas actualizações, fi­cava a social-democracia exposta no papel de ser­vente da ordem burguesa, desacreditada pela gran­de traição de 1914 e condenada a remastigar os res­tos apodrecidos de uma táctica que o movimento operário deixava para trás.

Por um momento, pareceu ao jovem movimento comunista europeu que tudo estava ao seu alcance. Se os russos tinham podido tomar o poder num país atrasado, com muito mais razão poderiam fazê-lo os europeus, apoiados numa forte e experiente classe operária… Esquecia-se, na vaga de entusiasmo: 1) que, na Rússia, a audácia de Lenine e dos bolche­viques, com toda a sua genialidade, fora possível graças a uma situação revolucionária, a um fim de regime que estava longe de existir na Europa; 2) que o facto de a revolução soviética ser conduzida pelos operários não era suficiente para lhe permitir transcender os limites do capitalismo, resultantes do atraso geral da Rússia.

A revolução russa introduzia o mundo numa época de grandes convulsões populares mas não inicia­va o colapso geral do sistema, como se supôs no primeiro momento, sob o impacte do grande massacre imperialista e do milagre do Outubro vermelho.

Estes dois equívocos a crença de que se instaurava o socialismo na URSS e a da iminência da derrocada do capitalismo na Europa colocaram o movimento comunista europeu num trilho errado.

Era esse desfasamento fruto do “voluntarismo” e do “blanquismo” de Lenine? Essa lenda social-democrata foi, bem o sabemos, a grosseira justificação encontrada por aqueles que, perante a presença da revolução na rua, no Verão russo de 1917, se pas­saram em pânico para a trincheira da burguesia. V Lenine não inventava revoluções: sabia que as revo­luções “nascem das crises históricas, independente­mente da vontade dos partidos e das classes.”1 Esta­va porém erradamente convencido da proximidade de uma crise final na Europa. A sua perspicácia habi­tual obscurecia se, na luta desesperada para salvar os sovietes, fechava os olhos à fraqueza sintomática das réplicas suscitadas pelo grande sismo, nomeadamente a timidez suicida das revoluções alemã e húngara, e tirava conclusões demasiado optimistas das localizadas acções operárias na Europa Ociden­tal, em solidariedade com o poder dos sovietes.

 “CHEGOU A LUTA FINAL”

Como soam patéticos, lidos hoje, os apelos insurreccionais dos primeiros anos da Internacional Comu­nista! Declarando “chegada a hora da luta final e decisiva”, o I Congresso apontava como tarefa do proletariado “a conquista imediata dos poderes pú­blicos”. Lenine celebrava aí o “começo da revolução socialista mundial” e considerava “bastante prová­vel que, muito em breve a revolução estale em mui­tos Estados da Europa Ocidental’’.2 E meses depois: “Sente-se, palpa-se, o ascenso da guerra civil em to­dos os países avançados”.3

Passado um ano, o II congresso, forçado a reco­nhecer o “atraso na preparação do proletariado para a ditadura”, continuava a anunciar a “luta decisiva”, a “acção directa contra a burguesia”. Entrara-se na fase da “preparação imediata, política e técnica, do levantamento proletário”, porque “a revolução pro­letária é tudo o que há de mais possível num futuro muito próximo”.4

Assim, os jovens partidos comunistas europeus partiram para a batalha animados dum forte espíri­to revolucionário, em ruptura com a colaboração de classes, mas desfasados de toda a situação social em que estavam inseridos. Pseudo-sovietes, “sindicatos vermelhos”, boicote “de princípio” do parlamento, agitativismo frenético e até certas aventuras insurreccionais acabavam em fracasso por apostar numa radi­calização inexistente.

A sua tentativa para deslocar rapidamente o pro­letariado do campo do reformismo para o campo do comunismo tinha que fracassar porque a simpatia espontânea e calorosa do operariado (sobretudo das suas camadas mais pobres) pela revolução dos sovietes não era suficiente para criar uma situação revolucionária; essa dependia de factores estrutu­rais que não estavam reunidos em nenhum país euro­peu (a não ser talvez nas periferias, a braços com revoluções burguesas inacabadas Hungria, Espanha, etc.). E nessa situação, a massa do proletariado, mes­mo quando radicalizava as formas de luta, era aves­sa a seguir um partido que lhe trazia a mensagem da revolução e da conquista do poder a curto prazo. Quando muito, aproximavam-se do PC atraídos pela mensagem socialista da União Soviética, mas visan­do uma actuação essencialmente social-democrata, se bem que mais radicalizada.

GANHAR A MASSA A TODO O CUSTO!

Em breve, as duras realidades obrigaram a pôr de lado os apelos ao assalto. Os entusiastas grupos comunistas anunciavam o poder dos sovietes e a ditadura do proletariado… mas não encontravam eco na massa operária. Em 1921, evocando ainda nostal­gicamente a perspectiva de “unir a Alemanha indus­trial à Rússia agrícola”5, a Internacional teve que admitir que “a revolução mundial… exigirá um perío­do bastante longo de combates revolucionários” e reconheceu o “elevado grau de organização da bur­guesia nos países capitalistas desenvolvidos da Eu­ropa”6.

Esta constatação, que poderia servir de base a uma táctica mais realista, foi porém iludida, sob a premência do apoio à Rússia. Deduziu-se que as mas­sas retardavam sobre as possibilidades objectivas e a culpa era dos comunistas, que não sabiam ir arrancá-las à influência social-democrata. O centro da tácti­ca devia pois ser deslocado para “a conquista da influência preponderante sobre a maior parte da classe operária”7, pela disputa taco-a-taco com os re­formistas. Como viria depois a verificar-se inúmeras vezes, este apelo aparentemente forte ocultava uma cedência, já que a conquista da maioria, fora de uma situação revolucionária, só poderia ser obtida à cus­ta de grandes concessões programáticas.

E como as coisas corriam cada vez pior, como a economia capitalista saía da crise e a burguesia, aju­dada pelos socialistas, iniciava uma nova ofensiva contra o proletariado e na Itália o fascismo subia ao poder, exacerbou-se na direcção da IC a busca de resultados a curto prazo, numa corrida contra o tem­po. Reafirmando que “o capitalismo está na agonia e o seu desmoronamento é inevitável”, e a pretexto de que uma crise de grandes proporções poderia sobrevir a qualquer momento, o IV Congresso pediu aos partidos o empenhamento de todos os esforços na criação de uma Frente Única com os trabalhado­res social-democratas e anarquistas, pela “conquista da maioria da classe operária da América e da Europa” para a influência comunista, o que era pura utopia. Pior: para motivar a base socialista à unidade, o IV congresso, atendo-se ainda verbalmente à perspectiva da conquista do poder e da guerra civil, introduziu a palavra de ordem do “governo operário” como questão de política actual, o que equivalia a admitir a entrada dos comunistas para o governo no qua­dro das instituições. Aí era dito, para que não restassem dúvidas, que “um governo operário resultante de uma com­binação parlamentar pode também fornecer a ocasião de reanimar o movimento operário revolucionário.”8

Ou seja: em vez de perguntar o que é que, na situação económico-social da Europa, impedia uma adesão massiva dos operários ao programa comunista, tentava-se comprar essa adesão à custa de concessões de princípio. Como os reformistas não vinham ao encontro do comunismo, ia o comunismo ao encontro deles…

Assim foi aberto o caminho para a ascensão do oportu­nismo no seio dos partidos europeus (e não só). À “doença infantil do esquerdismo” sucedeu, quase sem transição, a “doença senil do direitismo”, a obsessão pela conquista da maioria, a transformação dos PCs numa força eleitoral, lega­lista, prisioneira das chantagens da social-democracia.

A ERRADICAÇÃO DA DOENÇA INFANTIL

A viragem fora promovida por Lenine no Esquerdismo, doença infantil do comunismo. Nesse folheto, escrito em 1920 com o objectivo de “aplicar à Europa Ocidental o que há de aplicável na história e na táctica bolchevique”9, Lenine contrapunha ao “purismo” inexperiente dos jovens comu­nistas alemães, holandeses, ingleses, italianos, a utilização minuciosa, exaustiva de todas as instituições, mesmo as mais reaccionárias, a aceitação de acordos e compromissos, como o meio que permitira ao partido bolchevique ligar a van­guarda à massa e levar esta a libertar-se de ilusões e avan­çar no caminho da revolução até abraçar o poder dos sovietes.

Tinha razão ao mostrar a infantilidade de se julgar possí­vel “marchar a direito para o comunismo”… mas acredita­va, tal como os esquerdistas, na iminência da revolução. Embora reconhecendo que “é muito mais difícil para a Europa Ocidental do que para nós começar a revolução socialis­ta”10, Lenine assegurava, contraditoriamente, que os operá­rios europeus “caminham a passos largos para o comunis­mo”. Se isso fosse verdade, urgiria de facto derrotar o “es­querdismo” como principal obstáculo à condução vitoriosa das massas. Mas o esquerdismo era neste caso, para além de sinal de inexperiência política, a manifestação da perplexida­de dos jovens partidos, tentando afirmar a sua identidade debaixo do cerco de um formidável aparelho reaccionário, dos ataques da social-democracia e das ilusões democrático-burguesas das grandes massas. Só a elaboração de uma táctica adequada permitiria superá-lo. Eliminá-lo, simplesmente, equivalia a abrir a porta a demónios bem mais perigosos.

No ano anterior ainda Lenine considerava as manifesta­ções esquerdistas como secundárias e não impeditivas do trabalho conjunto com esses “revolucionários sinceros”11. Em poucos meses, porém, ansioso pelo apoio europeu que tardava e influenciado pela luta interna na Rússia, inverteu as prioridades. Apoiou na Alemanha elementos vacilantes e propensos ao reformismo para assegurar a derrota dos “es­querdistas”. Aconselhou os comunistas ingleses a apoiarem eleitoralmente os chefes trabalhistas, como etapa necessá­ria para as massas se libertarem de ilusões e avançarem para a revolução avanço que só existia na sua imaginação.

Todas as componentes da táctica leninista faziam senti­do no pressuposto de uma situação revolucionária em ges­tação, de uma tendência geral de deslocação das massas para o terreno da revolução. Mas na ausência dessa situa­ção – e era o caso da Europa – essas mesmas manobras tornavam-se no seu contrário, fomentavam o oportunis­mo. Assim, a frente única sindical, em vez de funcionar como escola elementar do comunismo, tornou-se uma esco­la de conformismo reformista; a concorrência às eleições e a participação no parlamento não desagregaram a institui­ção parlamentar, desagregaram os comunistas; os acordos e compromissos que, no caso dos bolcheviques, tinham de­composto os mencheviques roubando-lhes a base operária aqui, decompuseram os comunistas e não os reformistas.

A derrota do “esquerdismo” infantil deixou o caminho livre, em praticamente todos os partidos europeus, ao ascenso do oportunismo de direita, porque não havia outras for­ças em presença no jovem movimento. O episódio Rates no PCP foi apenas um exemplo do que se passou por toda a Europa.12

MARGEM DE MANOBRA

Os resultados desastrosos da luta anti-esquerdista, que Lenine viria a lamentar13, demonstravam que a táctica comu­nista na Europa não podia ser decalcada sobre a dos bolche­viques.

Na Rússia, estes tinham podido utilizar em seu proveito a Duma reaccionária, sindicatos policiais, as mais variadas manobras e compromissos porque se apoiavam nas reivin­dicações prementes do povo paz, terra, liberdade, oito horas de trabalho as quais conduziam directamente à derro­cada do czarismo, em condições de extrema debilidade da burguesia. Lá, as reivindicações políticas gerais serviam de estímulo e cimento às reivindicações parcelares diárias, o que proporcionava ao partido revolucionário uma ampla margem de manobra. Na Europa avançada, porém, as rei­vindicações realmente antagónicas com o regime expro­priação da burguesia, poder dos conselhos de trabalhado­res, armamento do proletariado, desarmamento da burgue­sia, controlo operário da produção, unidade com os povos oprimidos não eram (nem são ainda, longe disso) reivin­dicações assumidas pelo povo, nem sequer pela massa dos operários avançados. Eram reivindicações puramente teóri­cas. O movimento ficava confinado a reivindicações inter­nas ao sistema: as da pequena burguesia, intelectualidade, etc., mas também as do proletariado e semiproletariado.

Com o aparelho de poder burguês em fortalecimento constante, com a economia levando espontaneamente as relações capitalistas a todos os recantos da sociedade, com as instituições democráticas servindo de correia de trans­missão da ditadura burguesa entre as massas o movimen­to comunista tinha que se implantar em condições muito adversas. Na Rússia, o comunismo crescera inserindo-se na corrente de uma crise social em desenvolvimento; na Euro­pa avançada, em turbulenta expansão imperialista, o comu­nismo só podia crescer em contracorrente, o que reduzia inevitavelmente o seu campo de manobra.

Não era fácil, pois (e ainda hoje o problema continua em aberto), encontrar as reivindicações, as formas de luta e as alianças que proporcionassem aos partidos comunistas ligação às massas e simultaneamente atacassem a ordem e preparassem a derrocada do poder burguês. Isto exigia uma longa aprendizagem em que não bastavam de forma algu­ma as meras declarações de “fidelidade ao leninismo”.

UM PASSO À RETAGUARDA

Críticos radicais do leninismo eram os “comunistas dos conselhos”, que se pretendiam os melhores discípulos da revolução russa, na esteira do “comunismo de esquerda” de 1920. Mas a sua prática fez a prova do fundamento das críticas de Lenine. Abstendo-se ferozmente de qualquer ac­ção nos sindicatos “reaccionários”, ignorando soberanamente o parlamento, alheados de todo o movimento real, e sobretu­do dominados por autêntica fobia ao partido, por eles repu­diado como “usurpador da autonomia operária”, pretende­ram centrar a mobilização do proletariado em conselhos, que seriam órgãos simultaneamente de luta política e econó­mica. Poderiam ter tido algum êxito temporário em período revolucionário. Mas batidos pelo refluxo geral do movimen­to, demonstraram rapidamente os seus erros congénitos, resultantes do abandono de noções básicas do movimento marxista: articulação entre a luta económica e a luta políti­ca, papel insubstituível do partido comunista na época da passagem da ditadura da burguesia à ditadura do proletari­ado. Acabaram aparentados à social-democracia, sempre pronta a dar acolhida aos desiludidos do comunismo.

Nas fileiras da IC, entretanto, em breve se tornou evi­dente que as concessões da “frente única” não produziam qualquer deslocação operária na via da revolução e, se per­mitiam ampliar as fileiras dos partidos, esse alargamento tinha como preço a diluição da sua identidade comunista. Deste mo­do, para colmatar os estragos causados pela abertura do IV Congresso, a IC lançou em 1925 uma campanha de “bolchevização” e acentuou a demarcação face aos social-democratas, “rec­tificação” a que se seguiria uma nova “abertura” e uma nova “vi­ragem” em 1928…

Por esta altura, já os plenos da Internacional, constituídos por elites burocráticas depen­dentes da direcção da URSS, na­da tinham de comum com as agi­tadas assembleias de 1919-20, embriagadas de espírito revolu­cionário. As análises da situação internacional e da táctica dos partidos eram copiadas das di­rectivas da política externa da URSS. E Moscovo, perdidas as ilusões numa revolução a curto prazo, adoptara um cínico prag­matismo nacionalista, que subor­dinava os interesses do proleta­riado de todo o mundo à neces­sidade de retardar um ataque imperialista contra a URSS.

Por uma sucessão pendular de “rectificações” à esquerda e à direita, os partidos tentavam manter um rumo equidistante do ultra-esquerdismo e do oportu­nismo de direita, ou seja, alar­gar a sua base de massas sem perder a demarcação com os so­cial-democratas. Conseguiram assim, graças à sua persistên­cia e lutando com enormes dificuldades, ganhar no movi­mento operário o espaço deixado vago pela social-democra­cia, já então a mover-se nos círculos do governo e do alto negócio.

Mas este lugar de extrema-esquerda no leque partidário e as perseguições sofridas não podem fazer esquecer que os PCs, privados de uma estratégia para a revolução, ganha­vam apoio nas camadas intermédias à custa da perda de crédito junto dos sectores mais radicalizados. Perdiam de vista o espírito revolucionário do leninismo e da revolução russa, que lhes aparecia como inaplicável neste universo diferente. Evoluíam para uma nova forma de social-demo­cracia.

A REVOLUÇÃO DISTANTE

Com efeito, posta de lado, por força dos acontecimen­tos, a esperança numa revolução a curto prazo (o período 1929-32, com a grande crise e os derradeiros sobressaltos da resistência ao nazismo na Alemanha, terá sido o último em que se acreditou na proximidade da revolução), os par­tidos comunistas europeus, prestando incansavelmente ho­menagem às “lições de Outubro”, recaíram, pouco a pouco, na perspectiva da II Internacional: tentar ampliar gradual­mente a simpatia junto das grandes massas (e da pequena burguesia) indo ao encontro do seu estado de espírito, nos parlamentos, nos sindicatos, na agitação diária, metendo entre parêntese o programa anticapitalista dos comunistas.

Em meados dos anos 3o, a busca dos melhores “resulta­dos práticos”, estimulada pela direcção soviética, mergulha­ra a generalidade dos partidos europeus numa “luta pelo progresso social” em perfeito espírito de colaboração de classes. Só a sua vinculação à União Soviética, o papão da burguesia em todos os continentes, evitou que essa deriva reformista fosse mais rápida, já que vedava aos comunistas a entrada nos aparelhos mais sensíveis do poder.

Por estranho que possa parecer à primeira vista, esta assimilação reformista dos partidos verificava-se também, e até mais, nos países sob regimes fascistas e nos anos 30 já eram muitos. A Itália foi um cadinho desse antifascismo democrático-burguês. É que a situação sob o fascismo nada tinha de comparável à dos bolcheviques sob o czarismo, as correntes da pequena burguesia democrática e da burguesia liberal eram incomparavelmente mais fortes na Rússia; a restauração da democracia burguesa era a meta para que convergiam todas as forças. Na linha geral da conquista da maioria”, os comunistas ficavam prisioneiros do anseio geral de restauração da “democracia”. Por outro lado a própria dureza da luta ocultava melhor a modéstia dos objectivos.

À medida que o fascismo se revelou como uma ameaça mortal, não só para a União Soviética, como para toda a Europa, esta bandeira da “união de todas as pessoas hones­tas para a conquista da democracia” iria cobrir e acelerar a capitulação geral face à social-democracia, tão bem expres­sa no relatório de Dimitrov no VII Congresso (e último) da IC. A partir daí, o percurso dos partidos comunistas já só nos slogans pode ser vinculado ao movimento comunista fundado em 1919 em Moscovo.

Foi uma evolução geral, regular, que não pode ser atri­buída a esta ou àquela circunstância, ao ascenso do nazifascismo, às manobras geoestratégicas defensivas de Staline, ou às propensões reformistas de Thorez ou Togliatti. Tudo se passou como se não houvesse alternativa a um percurso que esterilizou os PCs europeus num progressismo radical, para os degenerar depois numa espécie de ala esquerda social-democrata.

“GUERRA DE POSIÇÕES” OU “GUERRA DE MOVIMENTO”?

Que a luta do proletariado europeu pelo derrube do capitalismo seria inevitavelmente de longa duração, já o movimento marxista o compreendera desde finais do sécu­lo XIX. As manifestações de pujança dos meios burgueses, a proliferação da pequena burguesia, a lenta elevação do ní­vel de vida das massas não deixavam lugar a expectativas numa crise revolucionária a curto termo. O movimento comu­nista não fez mais, por isso, do que regressar a uma cons­tatação adquirida, após a ilusão do assalto próximo criada pela revolução russa. O pior é que retomou o problema no ponto em que fora deixado por Bernstein e Kautsky: revolu­ção distante = transição gradual = acumulação estática de forças = acção parlamentar… acabando no reformismo cró­nico e no chauvinismo. Depois da falência vergonhosa da II Internacional, depois das lições de Outubro (tão reverencia­das como falseadas), esta recaída no oportunismo só com­prova a força do reformismo que emanava das próprias relações sociais na Europa.

As elaborações de Gramsci, que gradualmente viriam a impor-se como cartilha do novo revisionismo europeu, têm a vantagem de sintetizar a opção que defronta o movimento. Gramsci completou a noção de ditadura com a do “consen­so”, para chamar a atenção para a necessidade de uma lon­ga “guerra de posições”, que permitiria, por um paciente trabalho de “infiltração” substituir pouco a pouco a hegemo­nia político-cultural burguesa por um sistema de “contrapoderes” e pela “contra-hegemonia” das massas populares. (Na­turalmente, não faltam no plano de guerra gramsciano as garantias de que o objectivo é a destruição revolucionária do aparelho burguês; nem por isso ele deixa de revalorizar as instituições burguesas e o sufrágio universal como “armas” de consciencialização das massas e abrir a porta ao reformismo). O PCI e, depois dele, todos os partidos euro­peus, fizeram uma leitura reformista de Gramsci porque era isso que lá havia para ler.

A questão que cabe ainda hoje aos comunistas europeus esclarecer é justamente a do carácter da guerra que têm que mover nesta metrópole do imperialismo mundial: “guer­ra da posições” ou “guerra de movimento”? Queremos com esta imagem dizer: em condições de supremacia prolongada e envolvente da burguesia, o comunismo só pode crescer se abandonar as noções de acumulação estática e gradual de forças, os sonhos de “conquista da maioria da classe operá­ria”, e souber adoptar uma grande mobilidade táctica, não se deixando aprisionar na ratoeira das instituições nem no envolvimento da pequena burguesia. Só isso permitirá evi­tar que o partido comunista se torne, ao fim de duas ou três décadas de existência (às vezes nem­­­­ tanto) um meio pro­penso ao reformismo. Só isso lhe permitirá neutralizar as desvantagens esmagadoras da correlação de forças nos lon­gos períodos de “paz social” e explorar a fundo as vanta­gens nos breves momentos de crise aguda e de revolucionarização do estado de espírito das massas.

Essa ruptura, uma ruptura comunista autêntica, só teria sido possível se experiências revolucionárias, mesmo loca­lizadas, mesmo derrotadas, tivessem iluminado a compre­ensão da luta de classes que se travava no continente. Mas as situações revolucionárias (Alemanha, 1924, Espanha, 1936, Grécia, 1947, França, 1968, Portugal, 1975…) não tiveram consistência nem amplitude que lhes permitissem rasgar essas vias novas. Saberemos ajudar melhor uma pró­xima crise revolucionária que surja em qualquer canto da Europa?

NOTAS

1 “A revolução não se pode ‘fazer’, as revoluções nascem das crises e das viragens históricas objectivamente amadurecidas (independentemente da vontade dos partidos e das classes). ”, “La faillite de la II Internationale ”, Oeuvres, tomo 21, p. 246, Ed. Sociales/Ed. du Progrès, 1973, Moscovo.

2 Les quatre premiers congrès mondiaux de 1’Internationale Communiste, 1919-1923. Maspéro, Paris, 197o, p. 30, sublinhado meu.

3  Lenine, Oeuvres, du Progrès, Paris/Moscovo, 1973, tomo 29, p. 512.

4 Les quatre .., p. 87.

5 Id., pp. 104-105.

6 Id., p. 94.

7 Id., p. 95, subl. meu.

8 Id., p. 155-158.

9 Lenine, Esquerdismo, Pequim, em espanhol, 1975, p. 36.

10 Id., p. 60.

11 Lenine, Carta a Sylvia Pankhurst, Oeuvres, tomo 29, p. 566.

12. Após um congresso atabalhoadamente convocado por um enviado da IC, em Novembro de 1923, a direcção do PCP, de tendência “esquerdista”, foi destituída, sendo investido em secretário-geral Carlos Rates, que desertaria dois anos mais tarde, após diversas iniciativas oportunistas.

13 A propósito do dirigente oportunista alemão Paul Lévi. Oeuvres, tomo 33, p. 209.

Política Operária nº 61, Set-Out 1997

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s