25 de Novembro, o golpe fácil

Francisco Martins Rodrigues

Os generais novembristas falam acerca do seu golpe. Agora que já lá vão 30 anos, Ramalho Eanes, Loureiro dos Santos, Jaime Neves, Tomé Pinto & Cia. contam (quase) tudo sem complexos, garantindo com a maior desfaçatez que só agiram por amor à Pátria e “dentro da legalidade”. Vale a pena vencer a repugnância que despertam as suas gabarolices e as suas proezas de meia tigela, e tomar nota de alguns pormenores instrutivos, que desmentem a lenda do “contragolpe democrático, necessário para fazer face ao golpe extremista da esquerda”.

Os golpistas confessam como começaram a estabelecer contactos imediatamente a seguir ao malogro do golpe spinolista de 11 de Março e como uma das suas primeiras medidas foi dissolver a 5ª Divisão, por recearem que os desmascarasse.

Como convocaram a assembleia de Tancos e aí agiram concertadamente, usando Pinheiro de Azevedo como ponta de lança para forçar Vasco Gonçalves à demissão.

Como entraram em contacto com as embaixadas estrangeiras (muito discretos quanto a Carlucci, não se percebe bem porquê, uma vez que este já se desbocou em entrevistas à imprensa: “Tive contactos com Vítor Alves, almocei várias vezes com Melo Antunes, com Vasco Lourenço uma ou duas vezes, com Soares e Zenha; quem falava com Eanes era o coronel Shuler, adido militar…”);

Como Melo Antunes foi a Inglaterra pedir apoio em armas, que lhe foi prometido pelo primeiro-ministro James Callagham.

Como o presidente da República, Costa Gomes – cuja  “grande habilidade” louvam, por ter sabido favorecer o golpe na sombra, sem perder a aparência de imparcialidade – lhes deu luz verde para instalarem com um mês de antecedência o seu posto de comando secreto num 5º andar do Estado-Maior General das Forças Armadas.

Como mantinham relações estreitas com os terroristas do MDLP; como iniciaram reuniões clandestinas com o PS, em Cascais, e como nas vésperas do golpe entregaram mil armas a grupos de operacionais do PS.

Como Otelo, apertado pelos golpistas, numa reunião no QG da Região Militar de Lisboa, se dispôs a fazer o que eles pretendiam; como dias depois lhes fugiu de novo ao controle; e como acabou por deixar correr a conspiração e, no dia do golpe, saiu voluntariamente do comando do COPCON e se foi entregar a Belém, deixando os fuzileiros sem comando e sabotando qualquer hipótese de resistência ao golpe.

Como admiram a “grande experiência” de Álvaro Cunhal, o qual, “sentindo o perigo do aventureirismo da extrema-esquerda”, soube conter os trabalhadores no cerco da Assembleia, “que poderia ter acabado numa insurreição geral”.

Uma contradição ressalta contudo das confissões destes combatentes de aviário, especialistas em jogar pelo seguro e dar facadas pelas costas. Se a extrema-esquerda não representava uma ameaça de tomada do poder porque “não tinha uma grande organização nem um grande propósito” (como de facto não tinha), e se o PCP também não pensava em tomar o poder (como de facto não pensava), porque Cunhal, “pela sua grande experiência”, apenas estava interessado em fazer “demonstrações de força como trunfo político” – então porquê era tão vital dar o golpe de Estado?

Porque era preciso meter na ordem o povo. Essa a razão profunda que emerge da argumentação dos generais. Nas suas palavras, eles agiram porque se impunha “defender os interesses de Portugal” contra o “poder popular, o armamento, o descontrolo, a indisciplina” – ou, em bom português, deram o golpe para esmagar as veleidades de soberania dos trabalhadores e salvaguardar os interesses da burguesia.

E assim fica completa a mal-cheirosa autópsia da “gloriosa jornada regeneradora do verdadeiro espírito do 25 de Abril”.

Política Operária nº 102

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s