As lutas de massas na fundação do Partido

Francisco Martins Rodrigues

A fundação do PCP em 6 de Março de 1921 inseriu-se num grande ascenso de lutas da classe operária. O Partido não nasceu por efeito de debates teóricos abstractos mas para responder a necessidades reais sentidas pela vanguarda operária do nosso país.

Durante uma dezena de anos os trabalhadores tinham seguido a propaganda dos anarco-sindicalistas. Estes diziam que o movimento operário, para alcançar os seus objectivos, apenas precisava de organização sindical, que os partidos e a política só serviam à burguesia e nada de bom podiam trazer à classe operária. Mas, à medida que se sucediam os confrontos com o patronato e os governos burgueses, o sindicalismo revolucionário revelava a sua incapacidade. A própria luta de massas mostrava a necessidade de uma linha política e de uma organização política para o movimento operário.

A partir de 1918, a classe operária é galvanizada pelas realizações grandiosas da revolução socialista de Outubro na Rússia. O caminho do leninismo começa a ser estudado por sindicalistas de vanguarda, entre os quais se podem citar António Peixe, Ferreira Quartel, etc. Forma-se a Federação Maximalista que agrupa, apesar da sua confusão ideológica, as primeiras forças para a fundação do Partido Comunista. A formação por toda a Europa de partidos aderentes à nova Internacional Comunista constitui um estímulo para os primeiros comunistas portugueses. O PCP surge finalmente como a organização política de vanguarda que o proletariado procurava.

Recordemos brevemente algumas das grandes acções do movimento operário que formam o quadro de fundo da fundação do PCP.

COMÍCIO DO 1º MAIO

(1919) — A União dos Sindicatos Operários de Lisboa organiza um comício no parque Eduardo VII. 30 000 trabalhadores reclamam a jornada de 8 horas e a socialização dos meios de produção.

GREVE GERAL (Junho 1919) — Greve na CUF contra o despedimento de sindicalistas. O patrão, Alfredo da Silva, declara lock-out. Comício operário decreta greve geral em Lisboa por 48 horas, em solidariedade com os trabalhadores da CUF. As empresas metalúrgicas respondem à greve com lock out geral. A Batalha, órgão da União Operária Nacional, é encerrada por denunciar a submissão do governo a Alfredo da Silva. Encerrada a sede da UON. A greve termina com vitória parcial, reabertura da UON e da Batalha.

GREVE FERROVIÁRIA (Julho-Agosto 1919) — A repressão é dirigida por Helder Ribeiro, que atrela vagões com grevistas à frente dos comboios, para impedir sabotagens. A polícia assalta A Batalha e a Federação Maximalista, fazendo mais de 200 prisões. Explosões na estação do Rossio e no Entroncamento, descarrilamentos. A greve é vitoriosa: aumentos de salários e libertação dos presos.

GREVE GERAL NO PORTO (Janeiro 1920) — Greve da Carris do Porto alastra a greve geral na cidade durante quatro dias. Declarado o estado de sítio.

GREVES EM LISBOA (Março-Abril 1920) — Greve dos metalúrgicos e da Construção Civil de Lisboa. Encerrados os dois sindicatos pela GNR, suspensa A Batalha, prisões de sindicalistas. Os grevistas respondem à bomba, há mortos e feridos, a greve dura mais de um mês.

ASSALTOS EM SETÚBAL (25 Julho 1920) — Assaltos populares a lojas em Setúbal. A GNR faz 2 mortos e 20 feridos. A 10 de Setembro, recomeçam os assaltos na cidade, com greve geral que dura vários dias. Ocupação militar de Setúbal pela GNR.

GREVE DOS FERROVIÁRIOS (Agosto 1920) — Greve de toda a rede do caminho-de-ferro. A ordem de mobilização pelo governo é desobedecida. Os comboios são postos em circulação pela tropa e a GNR. Os grevistas respondem com sabotagens, todas as locomotivas do Sul e Sueste ficam inutilizadas. Regresso ao trabalho sem conseguir as reivindicações.

Bandeira Vermelha nº 144, 18 Outubro 1978

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s