Classes em Portugal hoje

Francisco Martins Rodrigues

O livro Classes, identidades e transformações sociais, de Maria Cidália Queiroz (Campo das Letras, Porto, 2005), fornece indicações muito úteis aos que, como nós, procuram conhecer a estrutura actual das classes em Portugal para poder intervir em defesa dos interesses do proletariado e da revolução. Se descontarmos o calão académico, de regra neste tipo de trabalhos (a autora é professora na Faculdade de Economia da Universidade do Porto), a massa de dados e observações aqui coligidos – e de que dou apenas alguns breves apontamentos – permite-nos entender melhor a luta de classes em curso.

Desde logo, a autora não alinha nas teorizações em moda nos meios académicos sobre o “fim das classes”. Em sua opinião, pretender que as classes são um fenómeno do passado e que deram lugar a camadas sem separações nítidas, apenas diferenciadas pelos seus rendimentos ou escalões de consumo, oculta o que se passa na realidade. Sem dúvida, reconhece, as condições em que se trava a luta de classes estão a alterar-se profundamente, mas não podem ser descritas como uma mera oposição entre excluídos e abastados. O eixo em torno do qual giram as relações sociais continua a ser a exploração do trabalho. Só a partir desta realidade, escreve, compreendemos o jogo da luta em curso: os exploradores precisam de limitar os meios de vida dos explorados mas, ao mesmo tempo, dependem deles para realizar os seus interesses; é esta dependência que dá aos explorados capacidade de resistência e que determina que, entre uns e outros, não haja simples oposição de interesses mas uma tendência para a luta antagónica entre classes.[1]

É justamente para explorar mais que são postos em prática os chamados métodos modernos de organização do trabalho, que correspondem, nas palavras da autora, a uma “vigorosa ascensão do poder do capital”.

Com o emprego precário a tornar-se a principal modalidade no mercado de trabalho, acaba o emprego estável e a tempo inteiro, instala-se a incerteza. Há uma fragmentação dos grupos profissionais, a subcontratação cria diversidade de condições dentro do mesmo grupo profissional. Através da multiplicação das hierarquias, estabelece-se uma rígida separação entre a concepção e a execução, impondo condições de trabalho desqualificantes aos operários.

Trabalho clandestino, ao domicílio, à tarefa, empregos de formação, contratos de duração indeterminada – as gradações na relação entre patrões e assalariados tornam-se de tal maneira variadas e flexíveis que permitem ao patrão isentar-se de encargos do emprego. A multiplicação de situações diferentes, com assalariados da empresa a coexistir com trabalhadores subcontratados, estreita as margens de negociação e de reivindicação. A noção convencional da empresa como o local de confronto entre assalariados e patrão é abalada, tudo se passa agora a outros níveis. Muitas vezes a própria empresa cria a sua agência de trabalho temporário. O dono da empresa não é responsável pelos seus trabalhadores. Assim a empresa consegue aumentar o seu volume de negócios ao mesmo tempo que diminui o número dos seus assalariados directos.

A flexibilização provoca a concorrência entre trabalhadores através das cadências e ritmos de trabalho, horários variáveis, trabalhadores a tempo parcial ao lado de trabalhadores a tempo inteiro, trabalhadores de fora ao lado dos assalariados da empresa, etc. Acenando com a descentralização e democratização do poder, maior iniciativa e autonomia de funções para cada operário, trabalho de equipa, etc., a empresa diferencia salários, prémios e condições de trabalho, cria uma multiplicidade de chefias intermédias, fomenta a concorrência, a corrupção, a submissão das equipas ao estado-maior dos gestores que avaliam o desempenho. Objectivo: retomar o controle absoluto sobre a disciplina da fábrica.

Seguindo a estratégia de compressão dos custos por todos os meios, o capitalista reduz o salário real, intensifica os ritmos de produção, lança para o tempo de não trabalho tudo o que não é produtivo e deste modo canaliza os custos de reprodução da força de trabalho para os próprios trabalhadores ou para a sociedade em geral. O interesse em quebrar a força crescente dos trabalhadores proletarizados e concentrados em regiões urbanas leva-o a procurar forma de divisão no interior e no exterior da empresa.

Tudo isto acompanhado por uma campanha de legitimação ideológica da ofensiva do capital, que apresenta a liberdade e os direitos do investidor como uma lei natural, incontornável, da evolução da sociedade, “no interesse de todos”.

Porque não é então mais enérgica e organizada a resistência dos trabalhadores à presente ofensiva do capital? Criou-se uma nova correlação de forças em que se perderam antigas formas de intervenção. A terciarização deu lugar a colectivos menos numerosos, dispersos, com horários diferenciados, horários flexíveis, vínculo precário – tudo isto fomenta uma lógica de submissão e conformismo individual à empresa e torna mais opaca a oposição de classe entre assalariados e empresários. Passa para segundo plano o conflito de classe entre patrão e assalariado, instala-se um espírito de competição entre os próprios trabalhadores pela defesa do seu posto de trabalho e tende a esbater-se o confronto “classe contra classe” que alimentava uma contracultura comum dos explorados.

O desemprego crescente reduz ainda mais a capacidade reivindicativa dos que receiam acima de tudo perder o seu posto de trabalho. O ímpeto reivindicativo dos mais pobres não encontra como se exprimir.

Tudo isto gera uma desorientação dos sindicatos quanto a formas de luta adequadas para enfrentar a ofensiva do capital. Sob a ameaça de deslocalização, tanto os sindicatos como os trabalhadores acabam por aceitar o abandono dos acordos salariais em vigor, o aumento dos horários de trabalho, a precarização, etc. Por sua vez, a incapacidade dos sindicatos para se oporem aos despedimentos e deslocalizações tem como consequência o recuo da filiação sindical e uma menor capacidade de resposta dos colectivos operários.

Esta a situação nova a partir da qual é preciso encontrar vias renovadas de luta e organização. Dou, a seguir, de acordo com os critérios da autora, os números essenciais do peso numérico das classes e da sua percentagem na população activa.

Quadro das classes em Portugal, 2001

 Burguesia……………………………………………………………………….. 562.000……. 12,1%

Inclui a burguesia proprietária (patrões e pequenos patrões) e a burguesia dirigente e profissional (dirigentes do Estado e das empresas, profissões intelectuais e científicas independentes). Ambas as categorias registam crescimento desde 1991, mais acentuado nos pequenos patrões (com menos de 10 assalariados) e nos dirigentes do Estado e das empresas.

Pequena burguesia tradicional…………………………………………… 321.000……… 6,9%

Inclui agricultores, comerciantes e artesãos e outros empresários independentes. Contra uma ideia muito difundida, não tem aumentado, pelo contrário, tem vindo a atravessar forte redução numérica. Os agricultores independentes passaram para menos de metade, entre 1991 e 2001. Os pequenos comerciantes independentes, que vinham crescendo incessantemente desde os anos 60, entraram em redução a partir de 1991.

 Nova pequena burguesia técnica e de enquadramento……………. 751.00……. 16,2%

Está em forte expansão. Ao contrário da pequena burguesia tradicional, ameaçada pelo crescimento do capitalismo monopolista, esta beneficia com a concentração. Está presente sobretudo no sector terciário. Também a sua camada inferior (quadros intermédios, capatazes, etc.) está em crescimento. Apesar do seu lugar subalterno e de ser muito afectada pela precarização, esta camada cultiva um imaginário desfasado dos seus reais meios de vida, despreza o trabalho manual, visto como desprestigiante, e procura identificar-se com as camadas superiores.

 Nova pequena burguesia de execução…………………………. 1.031.00……. 22,2%

Inclui o grosso dos empregados de escritório e serviços e está a crescer. Sofre um processo de proletarização devido à precarização, desvalorização das tarefas, perda da superioridade que dantes a separava dos operários.

Operariado………………………………………………………… 1.977.00……. 42,6%

A autora inclui aqui, além dos operários industriais, em crescimento lento, e dos operários agrícolas, em forte redução, os trabalhadores não qualificados do comércio e serviços (474.000): trabalhadores dos serviços domésticos, de recolha do lixo, auxiliares dos serviços de saúde e educação, repositores de artigos nos supermercados, serventes e contínuos, etc.

Três observações

 1) Trabalhador produtivo não é apenas o que produz uma mercadoria mas todos os que produzem uma mais-valia para o capitalista. Por isso Marx englobou no proletariado os trabalhadores dos transportes, armazenagem e embalagem.

2) A distribuição por classes não inclui as crianças, reformados, estudantes, desempregados, domésticas a tempo inteiro e outros que estão fora do mercado de trabalho. Esses não têm localização directa de classe mas ligam-se à estrutura de classes através das relações familiares, da relação com o Estado, etc.

3) Os marginais, como não dispõem de uma força de trabalho vendável, ficam à margem do processo de exploração capitalista. A modernização capitalista tende a fazer crescer este contingente de pessoas “excedentes”. Como não se pode eliminá-los (à semelhança do que foi feito com os índios americanos), são sujeitos a um controlo social que combina repressão e guetização.

 Operariado industrial

Os números deitam por terra a afirmação, hoje muito comum mesmo na esquerda, de que a classe operária “desapareceu”. A sua percentagem na população activa veio crescendo desde os 30% em 1970 até aos 37% em 1991. A partir daí, embora continuando a crescer em número absoluto, recuou para os 32%. De qualquer modo, é a maior classe nacional. Se lhe juntarmos como aliado preferencial o semiproletariado (que a autora chama de “Nova pequena burguesia de execução”), teremos que dois terços da população podem ser activamente interessados no fim do capitalismo.

O grosso do proletariado trabalha na indústria transformadora, mas há também fortes contingentes na Construção e Obras Públicas, nos transportes e comunicações, no comércio, na administração pública, etc. Desde 1991 tem vindo a verificar-se uma subida sistemática dos operários qualificados em relação aos não qualificados. Principais sectores:

Sectores                             Qualific           Não Qualific.               Total

Têxteis                                  87.000                 12.000                  99.000

Metalurgia                             60.000                   6.000                  66.000

Alimentares                           39.000                 11.000                  50.000

Couro e calçado                  160.000                 17.000                177.000

Madeira e cortiça                  37.000                   4.000                  41.000

Química                                19.000                   5.000                  24.000

Papel e edição                       25.000                   3.000                  28.000

Minerais não metálicos         43.000                   6.000                  49.000

Máquinas e equipamentos     27.000                   3.000                  30.000

Equipam. eléctrico                27.000                 10.000                  37.000

Material de transporte           29.000                   7.000                  36.000

Extractivas                            13.000                        —                  13.000

Outras transformadoras        46.000                 13.000                  59.000

Construção e O.P.               313.000                 66.000                379.000

Transportes/comunicações    75.000                   1.000                  76.000

Comércio                            147.000                   4.000                151.000

Administração Pública          37.000                   2.000                  39.000

Total                                 1.240.000               174.000             1.414.000

[1] É precisamente esta dinâmica de exploração, anota a autora de passagem, que permite entender a relação entre assalariados e administradores nas economias de planificação centralizada (os chamados países socialistas) como uma forma de relações de classe.

Política Operária nº 109

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s