Vias de aproximação ao poder: breve resposta a Ronaldo Fonseca

Francisco Martins Rodrigues

A série de artigos com que Ronaldo Fonseca tem vindo a desenvolver, ao longo dos últimos dois anos, os seus pontos de vista nas páginas da PO* teve a vantagem de tornar mais claro o que nos separa e permitir um balanço às nossas diferenças.

Vladimiro Guinot já aqui mostrou** o que há de equívoco no conceito dos reformistas “sérios”. O chamado “reformismo sério” que, para RF, é “um processo conduzido por organizações políticas efectivamente implantadas no terreno do proletariado e representando-o maioritariamente” (105:33), representa de facto os interesses de uma facção da burguesia dos seus países, precisamente a facção nacionalista burguesa que RF afirma não existir na América Latina (105:34). Ele chega a esta estranha conclusão, que diz “científica”, negando capacidade de representação política a todos os sectores burgueses que não fazem parte da oligarquia de banqueiros e latifundiários vendidos ao imperialismo. Mas é uma posição indefensável. Sobretudo agora, quando facções burguesas nacionalistas se reactivam por toda a América Latina, aproveitando a rivalidade entre EUA, UE, China, etc.

Naturalmente, a subida ao poder desses sectores nacionalistas burgueses pode ser muito favorável ao movimento operário e popular desde que este tenha claro que continuam a ser seus inimigos estratégicos, mesmo quando proclamam a intenção de “passar ao socialismo”. E isto porque as suas “reformas económicas de fundo”, com a estatização de sectores-chave da economia, servem o desenvolvimento capitalista. É verdade que eles se opõem ao imperialismo mas não é verdade que seja “impossível estabelecer uma distinção política entre luta anti-imperialista e luta anticapitalista”. (105:34). O seu “anticapitalismo” ataca privilégios monopolistas e latifundistas que obstaculizam o pleno desenvolvimento das relações capitalistas. O seu “socialismo do século XXI” é uma fachada para ganhar o povo para a disputa com a oligarquia e os EUA. O fôlego da sua luta é frágil, a sua oposição à direita é vacilante. Com frequência, quando o seu projecto corre mal, os “reformistas sérios” “mudam a arma de ombro” e atacam de surpresa os interesses populares para conseguir um acordo com os seus inimigos da véspera. É o que começa a anunciar a trajectória de Lula, ainda há poucos anos aclamado por boa parte da esquerda como “reformista sério”.

Isto, para RF, é puro sectarismo. Preocupado com a prostração da esquerda a nível mundial, acha que o decisivo é aproveitar os “sulcos à esquerda” abertos pelos reformistas “sérios”, pois proporcionam uma “entrada massiva do proletariado na cena política”. E põe tanto empenho nessa tarefa que passa para segundo plano o mais difícil, aquilo que nos falta e que é decisivo: conseguir que o proletariado entre na cena política por sua própria conta e não como força de apoio dos reformistas, por muito sérios que sejam.

RF, é certo, não põe em dúvida que “serão necessários partidos revolucionários de massas”. Mas, na prática, só vê defeitos e taras aos que tentam construir esses partidos – “isolacionismo moralizante”, “derrotismo”, “sectarismo vesgo”, “grupusculização estéril e sectária de agrupamentos pseudoproletários, isolados das massas, sem qualquer utilidade para os trabalhadores e destinados ao definhamento”, “desprezo pedante contra lutas concretas”, “núcleos iluminados, à margem dos movimentos que já estão no terreno da luta”, “vanguardismos estéreis”… Pelo que só lhe resta uma via: metermo-nos organicamente dentro dessas novas experiências históricas, “em interacção criativa, aberta e democrático-revolucionária com os novos e antigos movimentos sociais” (104:34). Assim, em nome dos desvios – que existem e têm que ser combatidos – acaba por se considerar a criação de uma corrente de classe e de uma organização de classe como um estorvo.

Aproveitar os “sulcos” abertos pelos reformistas? Óptimo! Mas onde está a força capaz de fazer esse aproveitamento? Onde estão a independência política e a vigilância que impeçam sermos aproveitados? É aqui que surge toda a diferença que nos separa de RF. Tomando os seus exemplos: saudamos a vitória do “não” no referendo em França mas não temos ilusões quanto à “unidade militante antineoliberal” da LCR e do PCF. Apoiamos as experiências de luta dos “novos movimentos sociais” mas sem esquecer que eles estão aprisionados no quadro de uma utópica reforma do capitalismo. Damos o maior valor à ocupação de latifúndios pelo MST mas sem perder de vista a orientação democrático-burguesa até agora imprimida ao movimento. Apoiamos sem reservas a resistência de Cuba ao imperialismo mas isso não nos obriga a dizer que exista ali poder popular ou socialismo em construção. E não acreditamos que a fusão na Alemanha do PDS com sectores de esquerda do SPD tenha “retirado o tapete à social-democracia”; cremos, pelo contrário, que ela esboça um refrescamento da social-democracia gasta e desacreditada.

Em resumo: não temos dúvida de que as vitórias parciais e institucionais podem servir “de patamares de apoio e acumulação de forças para novos avanços” (104:34), mas quando nelas está presente a influência revolucionária, capaz de as levar a franquear esses patamares. Se essa dinâmica não for introduzida por nós, os alertas de que os revolucionários deverão “preparar as massas sob sua influência “para a inevitável luta armada (…) que, mais cedo ou mais tarde, será necessária e decisiva” (105:33) tornam-se letra morta. Só se “preparam as massas para a inevitável luta armada” se, em todas as etapas do processo, lhes tornarmos claro os destinos diferentes, e a prazo antagónicos, entre a via da revolução e a via do reformismo.

A raiz das opiniões de RF está, creio, nas lições que ele extrai das revoluções do século passado. Ele observa com razão que se tratou de “revoluções nacional-populares” em países atrasados e que, portanto, a transição ao socialismo era nesses países de uma extrema dificuldade; que os comunistas foram audaciosos e clarividentes ao tomar a condução dessas revoluções, mas não estava no seu poder dar um salto para o socialismo e que, portanto, a solução do capitalismo de Estado se tornou inevitável.

Até aqui tudo bem. Os problemas começam quando RF acredita que o proletariado tinha inicialmente o poder económico “pela mediação da sua vanguarda mais consciente” (96:32, subl. meu), confundindo o poder do partido com o poder da classe; e quando julga que, mesmo depois de instaurado o capitalismo de Estado de fachada socialista, o proletariado poderia ter assumido gradualmente o poder político, “integrando sectores cada vez mais amplos na gestão do poder”, se não tivesse aparecido o stalinismo.

O stalinismo, resultado da perda do poder económico e político pelo proletariado logo no início da revolução, é entendido por RF como causa. Transfere-se aquilo que teve uma origem social – o atraso do capitalismo na Rússia – para o plano da política – os desvios e crimes do stalinismo. E nesta transferência é a questão fulcral, a natureza social do poder, que desaparece.

Vemos assim ressurgir, a propósito da revolução russa, a deformação que creio existir na perspectiva marxista de RF: as manobras de aproximação gradual ao poder agigantam-se de tal modo que substituem a preparação da classe para a tomada revolucionária do poder.

* PO nº 96, 99, 100, 103, 104, 105. (As citações vão indicadas pelo nº da revista e nº de página).

** PO nº 104 e 106.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s